Como a tecnologia inteligente está transformando o mundo da indústria

O poder da tecnologia está sendo sentido em todo o mundo da indústria e mudando

fundamentalmente os métodos de produção.

Quer você chame isso de indústria 4.0, internet industrial das coisas (IIoT) ou manufatura avançada, o poder da tecnologia está sendo sentido em todo o mundo da indústria e mudando fundamentalmente as cadeias de valor e os métodos de produção.

De fato, a mudança é tão grande que o Instituto de Transformação Digital (DTI) da Capgemini prevê que as fábricas inteligentes podem acrescentar até US$ 1,5 trilhão à produção global do setor industrial nos próximos cinco anos.

Isto acontece por causa do efeito “turbo-charge” da tecnologia inteligente, que está permitindo que as fábricas produzam mais enquanto reduzem os custos. Segundo a Capgemini, algumas indústrias podem quase dobrar seu lucro e margem operacional.

 

O que significa inteligente? 

O Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia (do inglês NIST) define esse novo cenário como “sistemas de produção colaborativa totalmente integrados que respondem em tempo real para atender às demandas e condições em constante mudança na fábrica, na rede de suprimentos e nas necessidades do cliente”. Convergente e conectado é uma outra maneira de dizer integrado e colaborativo. É onde a fabricação se beneficia de um efeito multiplicador, à medida que as tecnologias operacionais e de informação obtêm força combinada e melhoram a eficiência em todos os níveis.

 

Continua depois da publicidade. 

Os sistemas de manufatura estão aproveitando toda a gama de tecnologias novas e emergentes. A internet é a base, ligando equipamentos, sensores, ferramentas analíticas e pessoas de maneiras cada vez mais engenhosas. Big data, robótica, machine learning, inteligência artificial, realidade aumentada, impressão 3D, análise preditiva: isso tudo e mais um pouco agora estão convergindo. E com o alto nível de controle e supervisão que eles trazem, agora podemos construir um “gêmeo digital” de todo um sistema de fabricação e, assim, otimizar o desempenho dos negócios criando um perfil em tempo real de um objeto ou processo físico.

 

Faróis mostram o caminho. 

Os ganhos de se construir e operar uma fábrica inteligente vão além de simplesmente a produção de bens. Eles abrangem o planejamento, a logística da cadeia de suprimentos e todos os aspectos do desenvolvimento e da inovação de produtos. As empresas que falham em não adotam tecnologias e práticas de fabricação inteligentes correm o risco de ficar para trás, e é por isso que estamos vendo um número crescente de fábricas em todo o mundo que exemplificam as vantagens da fabricação inteligente.

Então, como seria a fábrica do futuro? O Fórum Econômico Mundial destacou nove das fábricas mais inteligentes do mundo, designando-as como “faróis” que iluminam os benefícios da quarta revolução industrial. Isso significa que implantaram de maneira abrangente as tecnologias inteligentes, mantendo as pessoas e a sustentabilidade no centro da inovação. Entre esses modelos está a fábrica Le Vaudreuil da Schneider Electric na França.

 

Liderando pelo exemplo 

Le Vaudreuil é um exemplo perfeito da convergência de potência e automação. Com base na tecnologia EcoStruxure da Schneider Electric, a fábrica usa uma ampla gama de ferramentas digitais para aprimorar e controlar as operações. O EcoStruxure é uma arquitetura de sistema aberta, interoperável e habilitada para IIoT que conecta tecnologias operacionais com as mais recentes tecnologias da informação. 

Assim que você entra na fábrica, você experimenta o futuro da manufatura. Por exemplo, os mini datacenters armazenam localmente dados críticos, permitindo maior acessibilidade e controle de segurança, todas as chaves USB devem passar por um terminal de descontaminação e sensores monitoram o maquinário para prever as necessidades de manutenção, ao invés de ter que reagir às mesmas. 

Além disso, a realidade aumentada acelera as operações e a manutenção, resultando em ganhos de produtividade de até 7%, enquanto as inovações de energia alcançam economias de até 30%. Essa fábrica não mostra apenas os benefícios de adotar tecnologias inteligentes, mas também a facilidade com que qualquer empresa pode começar sua própria jornada digital.

 

Soluções para a era especial 

Como um fabricante de materiais de alto desempenho, a Saint-Gobain requer grandes quantidades de energia para atender a clientes tão diversos quanto o Museu do Louvre e a SpaceX, pioneira em tecnologia espacial. Por meio da inovação digital, a companhia visa reduzir seu consumo de energia e, por sua vez, as emissões de carbono em 20% até 2025. A Saint-Gobain é outra beneficiária da plataforma EcoStruxure da Schneider Electric, que está impulsionando as eficiências operacionais e energéticas. Para rastrear o consumo e o gasto, a Saint-Gobain usa o software baseado em nuvem do EcoStruxure, que fornece uma visão integrada dos dados de energia e sustentabilidade, além de gerar insights sobre como economizar. Durante a última década, o fabricante economizou milhões de dólares por meio de tecnologias conectadas, ajudando-o a financiar mais pesquisa e desenvolvimento.

 

O que vem a seguir para as fábricas inteligentes? 

A única certeza sobre a tecnologia inteligente é que ela continuará a evoluir. Já se fala até mesmo sobre a Indústria 5.0, que terá como foco o elemento humano. Se a Indústria 4.0 trata da interconectividade de máquinas e sistemas, a 5.0 verá as funções humanas e das máquinas mesclar e se tornarem reforçadas e complementares. Isso envolverá os chamados "cobots" (robôs colaborativos) trabalhando junto com seus colegas humanos para criar forças combinadas.

Embora o aprendizado de máquina e a inteligência artificial estejam impulsionando a manufatura inteligente, a contribuição humana ainda é essencial. Enquanto as novas tecnologias possuem grande autonomia, os seres humanos precisam fornecer orientação e controle - além de supervisionar a tecnologia, coletando, comparando, analisando e aplicando os dados. A tecnologia tem um papel crescente e universal, mas a mensagem principal é que as fábricas inteligentes estão capacitando a força de trabalho humana, não a substituindo.

Outro desenvolvimento importante é a chegada do 5G. Isso trará downloads e respostas mais rápidas dos aplicativos, como resultado de uma latência mais baixa. Sensores se tornarão ainda mais difundidos e responsivos e as companhias poderão reagir às informações em tempo real. Um consórcio no Reino Unido está testando a tecnologia 5G para avaliar como ela pode tornar as fábricas inteligentes ainda mais inteligentes. Entre as possíveis aplicações estão manutenção preventiva e controle de máquinas remotamente.

Com a Indústria 4.0 já aqui, e a Indústria 5.0 no caminho, fica claro que as fábricas que quiserem continuar no mercado competitivo deverão adotar as últimas tecnologias.

 

Carlos Urbano, diretor de Industrial Automation da Schneider Electric Brasil.

Schneider Electric